terça-feira, 17 de março de 2009

Conjunto de Fatores


Hoje, um Conjunto de Fatores me levou a uma questão: realmente existe escolha ? Ou será que cada movimento, cada lance, cada jogada, enfim, cada ação não seja apenas o resultado de um conjunto de fatores ?

Exemplificando: você vai à padaria comprar o seu pãozinho e ao invés de comprar 5 pãezinhos como de costumeiro você acaba comprando 10. Pelo fato de ter aumentado o número de pães, acabou não sobrando dinheiro para comprar o suco. O fato de não ter comprado suco fez, depois de trinta minutos, você estar com sede. Desta vez você não estava em casa e não tinha uma moeda no bolso, logo, esse fator fez você procurar um local onde encontrasse um copo d'água. Durante a procura pela água você entra num buteco e se vê de frente com uma linda mulher, de sorriso doce e sincero. Aquilo te fascina, aquilo te encanta, aquilo te desarma. Depois de algum tempo essa mulher acaba tornando-se a mãe de teus filhos. E se você tivesse comprado o suco na padaria ? E se ao invés de procurar água no buteco, você tivesse procurado num supermercado ? Afinal de contas, até que ponto os fatores influenciam na realização de um acontecimento ? Há destino ? Há escolha ?

Alguns cientistas afirmaram que antes mesmo de pensarmos sobre uma simples escolha, nosso inconsciente já pré-definiu qual será a nossa escolha para essa situação, outros acham essa afirmação um absurdo, mesmo tal hipótese já ter alguns pontos comprovados. Com os religiosos a divisão também acontece. Uns acreditam no destino, pré-destino, onde a vontade de um ser, preferencialmente Deus é feita e cada acontecimento acontece por sua vontade. Outros creêm que hà escolha e cada ser é totalmente responsável pelos seus atos. Faço essa comparação é claro descartando as mil e umas modalidades de cientistas e religiosos que vivem por aí, porque senão perderia muito tempo para explicar um a um, tempo o qual não é o forte do ser humano, o qual tem no máximo 100 anos, sendo que só para digitar esse texto demorei cerca de 2 horas.

Afinal de contas, o filho deve ser realmente culpado pelo assassinato do pai ? Você deve receber o troféu pelo título conquistado ? Será que o ladrão rouba por sua total escolha ? A menina feia é simpática e a bonita é metida por simples expontâneidade ? Até que ponto somos culpados pelos nossos erros ? Até que ponto o resultado é influênciado pelo Conjunto de Fatores ?
Seja Bem-Vindo(a) a um mundo de Contradição, de Dúvida, de Coragem e Medo e que não tem como principal objetivo chegar a alguma conclusão, e sim por em xeque as que existirem.

Novamente, Seja Bem-Vindo(a) ao Conjunto de Fatores.

(Marcus Paulo Moreira Matias)

20 comentários:

  1. Irmãooo!
    Fiz uma viagem praticamente transcedental lendo seu texto! Esse questionamento realmente dá um nó em meus pensamentos! Mas é sempre bom exercer essa capacidade mental que vem perdendo adeptos conforme o tempo vai passando, com as pessoas simplesmente existindo.

    Como te disse, "Tudo tem seu Tempo e Propósito"!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Isso faz parte da complexa "lei do Universo"... você não deve tentar entende-la, não precisa compreende-la, basta apenas vive-la.

    Somos "pequenos" demais pra querer entender o "grandioso" Universo e suas complexas leis.

    Um exemplo:
    Conforme seu texto... a lei do universo agiu antes que você percebesse, ela agiu de forma muito clara, porém você não entendeu.
    A ação da "lei do universo" foi tirar sua bunda do sofá, e fazer com que você fosse até a padaria comprar seus pães...

    Então eu lhe pergunto agora:

    Será que vc não arrumou a mulher da sua vida ali no bar, pq se levantou do sofá para ir até a padaria????

    A escolha e o poder de ir a padaria foi de quem?

    Muito fácil jogar a culpa dos NOSSOS atos no destino..

    ...ja basta né?
    COF! COF!

    ResponderExcluir
  3. Caro PlayPause, gostei da tua opinião, como sempre 'do contra' hAUSHUAHSU... mas encontrei algumas contradições na mesma... segue abaixo:

    1º - vc afirma: "você não deve tentar entende-la, não precisa compreende-la, basta apenas vive-la.", logo depois vc diz : "muito clara, porém você não entendeu. "... Como você me critica por não entendê-la se vc mesmo afirma errado tentar entendê-la ?

    2º - vc afirma: "A ação da "lei do universo" foi tirar sua bunda do sofá, e fazer com que você fosse até a padaria comprar seus pães... ", logo em seguida me questiona: "Será que vc não arrumou a mulher da sua vida ali no bar, pq se levantou do sofá para ir até a padaria????", afinal de contas, quem foi o responsável pela ação de ir à padaria ?

    Concluindo, eu nunca defendi o destino. o Destino nada mais é do que um conjunto de fatores sendo controlados por um ser. Eu discordo com relação a esse ser controlador.

    Abraços Cu.

    (Marcus Paulo Moreira Matias)

    ResponderExcluir
  4. voltando aos velhos tempos heein man ? hahaha

    muito bom .. muito boom ;)
    continua assim !

    aquele abraço velho (:

    ResponderExcluir
  5. A questão não é tão simples quanto parece. Não dá pra escolher entre liberdade ou determinismo, a não ser é claro, como saída pra justificar fracassos ou requerer o mérito por uma conquista.Se eu tiro nota baixa, o instinto natural é organizar os fatos relacionados a esse incidente a uma desculpa "fatorial", "distinística", ou pré-determinada. Pelo contrário, se a nota é boa, relaciono o fato ao esforço solitário, a genealidade singular, etc... Portanto, a opção entre liberdade e determinismo é uma compensação psicológica. Contudo, no nível da realidade, ou seja, além do mecanismo psicológico, tanto a liberdade e a responsabilidade por nossas existência, como o determinismo, co-existem, ou seja: não somos nem totalmente livres, e muito menos totalmente determinados. Estamos com um pé na natureza, que é fundamentalmente uma fatorial "ad infinitum", e com um pé na liberade, que nos possibilita negar as coisas tais como elas são e construir uma saída nova para os fatos puros da natureza.
    A realidade nos condiciona, mas diante desses condicionamentos, eu sou livre para agir. Ou como diria Sartre, "Não importa o que fazem do homem, mas aquilo que ele faz do que fizeram dele".

    Gostei do tema,
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Marcos Vinicius,

    Seu comentário foi de extrema importância.

    Concordo plenamente quando se diz respeito ao uso do "determinismo" ou da "liberdade", o ser humano tende a usar as idéias a seu favor, independente se as idéias conferem com a realidade ou até mesmo com o que a própria pessoa pensa...
    Talvez seja instinto de sobrevivência. Melhor pensar assim...

    Com relação ao fato de sermos 'meio-livres' e 'meio-condicionados' não consegui ainda compreender até que ponto esse condicionamento nos influencia, talvez, seja mais uma resposta que como o Caro PlayPause disse: "Você não deve tentar entende-la, não precisa compreende-la, basta apenas vive-la.".

    Depois vou ADD seu blog nos Meus Favoritos.
    E vice-versa. x)

    Akele Abraço Mineiro.

    (Marcus Paulo Moreira Matias)

    ResponderExcluir
  7. Caro Marcus,

    Um exemplo. Nem eu nem você podemos voar, como um passarinho, ou respirar de baixo d'água, isso porque, nosso organismo, a programação genética do ser humano, coisa que independe da nossa vontade ou escolha, DETERMINA um conjunto de caracteríscas que são insuperáveis. Mas isso não faz de mim um mero produto genético. Porque essas caracteríscas não são um obstáculo, mas a condição própria de para que eu possa estar no mundo. A partir de um corpo humano, é que posso existir e relacionar-me com mundo. O corpo não é, portando, um limite negativo, mas porta que abre-se a mim, enquanto possibilidade de viver, pensar, e estar aqui escrevendo esse comentário. Ou de outra forma... já que os ser humano é meior teimoso, sonhador, e cabeça dura, IMAGINA e CRIA, um avião, pra poder voar, e um submarino pra navegar no fundo do oceano. Deste modo supera, as determinações aparentemente invencíveis...


    Outro exemplo. Eu não escolhi nascer brasileiro, mineiro, no ano 1982. Porque cada um de nós é jogado no mundo, numa circunstância que não escolhemos, mas que nos pertence na medida que nascemos. Não podemos evitar isso. Mas isso também não quer dizer que se eu tivesse nascido na Rússia czarista, eu seia um camponês revolucionário, ou que se tivesse nascido em Londres seria um esnobe tomador de chá e cantor de brith-pop. As condições concretas exigem de nós uma escolha, uma postura, uma decisão perante elas.

    Os fatores não dependem de nós... Mas as escolhas sim...

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Marcos,

    Consegui, agora, compreender melhor a sua visão.
    O problema está em concordar... hahaha

    Por exemplo: numa questão de alternativa. Eu não discordo na afirmação de que há uma escolha em relação a seleção de uma alternativa como a correta, o que eu dizer é que não existe uma escolha 100% imparcial, toda escolha é influênciada pelos fatores.

    A questão volta a se repetir. Qual a porcentagem de influência nessa escolha. Talvez 100%, Talvez 50%, enfim, aliás, sem fim mesmo (aSAhushuas) ... esse tema dá muito pano pra manga... e como no próprio texto diz: "Nosso tempo é curto".

    E não importa que seja da sua escolha ou não, desejo que você volte a comentar nos próximos posts... sinto que você tem, assim como eu, muita necessidade de falar o que se passa entre os neurônios.

    Abraço

    (Marcus Paulo Moreira Matias)

    ResponderExcluir
  9. realmente como disse marcão
    entendi a mensagem...o seu ponto de vista
    mtas coisas acontecem por escolhas q fazemos todos os dias...sem excessões
    o mundo gira de acordo com nosso ideais
    não escolhemos basicamente o q pode acontecer...apenas podemos fazer com q aconteça de uma forma q nos faça...como diria
    melhores..entende?
    o mundo...simplesmente...como vc disse
    é um grande conjunto de fatores

    ResponderExcluir
  10. A questão não é de probabilidade... de estatística... as situações são dadas, diantes delas eu faço uma escolha que resulta numa outra situação. escolher e sempre perde um caminho...

    ResponderExcluir
  11. *escolher é sempre perder um caminho, par afirmar outro... o motivo da escolha, deve ser sempre autônomo.. quando agimos assim somos autênticos, caso contrário, de fato não realizamos uma escolha positivamente, escolhemos não escolher quando agimos por interesse...

    ResponderExcluir
  12. de uma olhada nesse texto, acho q vc vai gostar: http://geocities.com/cfms81/c.g.jung__a_sincronicidade_1951.zip

    ResponderExcluir
  13. Nossa senhora Marquito, vc ta mesmo inspirado...
    O texto é lindo e te faz pensar em varias coisas da sua vida....muito interessante.

    Parabens!!!!!!!!

    Bjos da sua eterna amiga: Rafa (pelotinha)heh.

    ResponderExcluir
  14. Marcus Primeiramente Parabéns, pelo blog.

    Acredito por mais que os fatores alterem todas as situações mas no final eu quem lidou e escolheu em cada uma delas, No caso da mulher poderia ter se fascinado mas ser tímido o suficiente para não lhe chamar a atenção... Como haveremos de ter Juris, culpado, defensores... se o único culpado foi sempre será o Conjunto de fatores que levou a tal ato. O importante é saber que o corpo é o culpado, pois deixou-se levar. E quando Pensamos? Paramos para Pensar? "Penso Logo Existo"Quem é o culpado dos nossos pensamentos?

    ResponderExcluir
  15. correção O único culpado sempre será.

    ResponderExcluir
  16. manoel aquino cavalcante6 de abril de 2009 15:42

    Como tu mesmo já disseste, tudo isso é por demais contraditório; quero todavia te chamar atenção para um detalhe, vamos deixar de ser covardes e assumirmos os nossos fracassos, precisamos ser fortes e jamais atentarmos contra a vida de alguém, ninguém tem o direito de tirar a vida de outro a não ser Deus. Ser forte não é tirar a vida de outra pessoa mas ter autodomínio contra nós mesmos. Busquemos outras saídas, "sempre existe uma luz no final do túnel". A Bíblia diz que Deus trás luz as nossas trevas, cego é aquele que não ver essa luz! Se alguém está na lama eu não preciso cair na lama com ele, posso dar um pulo por cima, faça o mesmo.

    ResponderExcluir
  17. Vandeco,

    na verdade eu enfatizei a possibilidade de não termos escolha(s), ao contrário do seu julgamento com relação ao texto.

    (:


    Marcos,

    Seu ultimo comentário me fez lembrar de um dia em que eu parei no meio de uma avenida, vazia, tranquila, parei e pensei: se eu for pra esquerda minha vida pode seguir um rumo, se eu for pra direita minha vida vai seguir outro, massa neh... e é totalmente lógico esse pensamento, só que não vale ficar parado por muito tempo haushahushu...

    ctzz a sinceridade é uma das coisas que mais aprecio, principalmente quando se deve à sinceridade consigo mesmo, afinal de contas, quem não é sincero com si mesmo, não é sincero com os demais.

    abração, quando der eu leio esta parada aí.

    x)


    Rafa,

    brigado pelas palavras que me tocam... ahusauhshuas

    Estou longe do meu auge, mas um dia eu chego lá.

    S2


    Valdo,

    Tava demorando pra vc aparecer por aki x)

    Na verdade esse é a questão central do texto, afinal de contas, será que tudo não é causado pelo 'conjunto de fatores' ?

    Em relação aos pensamentos, claro, tanto as ações como os pensamentos são resultado de um conjunto de fatores, isso não levando em consideração que um pensamento pode ser considerado uma ação, mas isso já e um outro assunto...

    Volte Sempre.


    Tiooozão Manoelll,

    Concordo Plenamente contigo, não é por que não se sabe a resposta com relação a essa questão que eu vou ficar parado vendo meu barco afundar... vou fingir que eu faço as escolhas e vou seguindo em frente ^^

    akele abraço.

    (Marcus Paulo Moreira Matias)

    ResponderExcluir
  18. Fala marquito...

    Como ja lhe disse, acho que vc tem um talento enorme para a escrita, e deve de fato investir nisso..

    O texto é lindo e enigmatico....capaz de fazer todos pararem para pensar em suas vidas e nos acontecimentos...

    Continue assim...

    Adoro voce marquitooooooo!!!

    ResponderExcluir
  19. Mais uma vez vlw rafa...

    essa é a intenção.
    não quero que concordem comigo.
    quero que discutam comigo...
    não há verdade absoluta ? ou há ?

    ahushauhuashu
    enfimm

    estou investindo... quem sabe um dia não vira uma grande mercadoria... kkkkkkkkkkkkkkkkk

    bejão x)

    (Marcus Paulo Moreira Matias)

    ResponderExcluir