terça-feira, 29 de agosto de 2017

Explodirá




E se fosse possível que eu provasse todos sabores
E voasse por todos os céus
Rabiscasse em todas paredes
Desfrutasse de todos prazeres
E então dominasse todas as línguas e dialetos?

E seu andasse por todos os lados
Medisse cada milímetro
Cantasse todos os cantos
Conversasse com todos estranhos
E finalmente penetrasse todas entranhas?

Se por acaso eu lesse todos os livros
Confessasse todas as fés
Me embreagasse em todos butecos
Mergulhasse em todos oceanos
E incrivelmente estivesse presente em tudo que se apresenta?

Ainda desejaria mais.
E por não ter mais nada a buscar, me explodiria feito bomba nuclear.
E torceria pros meus eus revigorarem em novos eus desesperimentados.
Já aproveito agora e deixo aqui registrado:
Todo sentido que se dá à vida explodirá no espaço.

(Marcus P. M. Matias)

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Nós poetas

Nós homens,
Paridos para manter a busca pelo inalcançável.
Sofridos guris.
Que tão cedo neste mundo,
Já lhes retiram as tetas que mamavam.
Pobres coitados!

E essas crianças,
Que não tarda e já lhes retiram do barro com seus pés descalços.
E botam na frente das telinhas:
O homem que voa, o menino que não envelhece,
Ao infinito e além, para todo sempre.
Pobres diabos!

E esses jovens
- Perdidos entre o caos e a ordem -
Nesse tesão inesgotável e tão reprimido.
Se antes cuspia e gozava na cara da verdade,
Hoje cortam suas pulsões pelas raízes sanguíneas.
Pobres cortados!

E esses maduros,
Que se dizem prontos pra vida.
Já são capazes de esconder seus temores
Em seus discursos políticos, utopias, ansiolíticos ou cursos superiores.
Só não percebem que as rugas em tuas cascas não negam, mas revelam o fim do seu doce.
Podres maduros!

E esses velhos - salvo os gagás -
Que sufocam as novas vidas com sua amargura transvestida de sabedoria e razão,
E acordam às 6 procurando culpados,
E dormem às 6 pensando serem eles mesmos os culpados da suposta podridão.
Te ensinarão mil e uma maneiras para se viver, nenhuma para morrer.
Velhos cagões!

E esses poetas,
Que na calada da noite - Enquanto dormem coitados, diabos, cortados, podres e cagões -
Condensando em seus versos os resultados das relações diárias das contradições,
Pensam que estarão livres das disputas das forças em questão.
Ilusão presenteada pela complexidade dos afetos, mas que se apaga noutro dia numa nova e velha missão:
De serem atravessados por todos e na nova calada da noite reunir novamente as novas dores deste mundão.

Eu poeta, coitado, diabo, cortado, podre e cagão!

(Marcus P. M. Matias)

terça-feira, 18 de abril de 2017

É preciso!



É preciso de paz pra absorver o impacto.
Recolher o que sobrou e poder chorar o leite derramado.

É preciso de paz pra engolir o sapo.
Reconhecer onde errou e deixar isso de lado.

É preciso de paz pra olhar de fora.
Se colocar como um diretor na gravação pra ver se ainda dá pra mudar o rumo dessa história.

É preciso de paz pra respeitar o tempo.
Esse senhor que vive apressado, mas que agora precisa passar lento.

É preciso de paz pra revigorar.
Abrir os olhos, respirar bem fundo até o peito estufar.

É preciso de paz pra sonhar.
Esquecer os velhos is pra botar os pingos n'outro lugar.

É preciso de paz pra planejar.
Caminhando, observando e calculando, feito um leão faminto, já de olho em outra jugular.

É preciso de paz pra saber o momento certo.
O momento em que a vida clama pela ação. Já não dá mais pra hesitar.

É preciso de paz pra guerrear.

(Marcus P. M. Matias)